• Youtube

Seja bem vindo!

Conheça nossas mídias sociais

Tudo sobre Epilepsia

Indique este site

Cinco fatos sobre as crises de ausência

Os episódios, confundidos com outros distúrbios, são manifestações da epilepsia que duram segundos e provocam perda do contato com o exterior

ASSESSORIA DE IMPRENSA UCB

 

São Paulo, fevereiro de 2017

A quebra de estigmas se mostra cada vez mais importante para a sociedade, em diversos aspectos. Com a epilepsia, isso não é diferente: a inclusão dos pacientes na sociedade depende diretamente da diminuição de preconceitos e mitos acerca da doença, evitando o medo e a vergonha.

“A epilepsia é uma doença crônica caracterizada por crises epilépticas que ocorrem devido a uma atividade excessiva anormal das células cerebrais, causando nos pacientes comportamentos, sintomas e sensações anormais, incluindo, algumas vezes, perda de consciência. Porém, a maioria das pessoas costuma relaciona-la apenas às crises convulsivas, que acontecem quando o paciente cai no chão e se debate”, pontua a Dra. Maria Luiza Manreza, doutora em Neurologia pela Universidade de São Paulo (USP).

Para uma vida saudável é muito importante que não só a pessoa com epilepsia entenda a sua condição, mas também seus familiares e todos aqueles que com ela convivem. Para que não haja discriminação, além de conhecer as características da doença é necessário compreender suas diferentes manifestações além de reconhecer as diferenças entre elas. Entre as crises epilépticas mais frequentes estão as crises de ausência, mais comuns em crianças e adolescentes.

Abaixo estão cinco fatos sobre essas crises, que contribuirão para um maior esclarecimento sobre a enfermidade:

  • A crise de ausência, também conhecida como o “pequeno mal”, costuma durar entre 10 a 30 segundos e provoca no paciente um olhar vago, demostrando distanciamento com o seu arredor. “É comum confundirem este sintoma com algum distúrbio de atenção”, salienta a Dra. Maria Luiza;
  • Além do “desligamento”, podem ocorrer outros sintomas, sempre discretos, como contração dos músculos do rosto, pequenos movimentos com as mãos e a cabeça;
  • Na Infância estas crises tendem a se repetir várias vezes ao longo do dia prejudicando as atividades escolares;
  • Após a crise, a pessoa volta naturalmente à atividade que exercia geralmente sem se dar conta do ocorrido. “Uma atitude importante de quem está por perto é permitir que ela continue fazendo o que estava planejando”, conclui a doutora;
  • Quando acontece na infância estas crises tendem a desaparecer ao longo da adolescência, desde que um diagnóstico pronto e o tratamento correto tenham sido feitos.

 

A palavra-chave para lidar com essa manifestação é paciência. É preciso respeitar o momento em que acontece a crise e esperar que ela passe espontaneamente. Além de ajudar o paciente, seguir essa postura harmoniza o ambiente para aqueles que presenciam o evento, o que incentiva uma maior aceitação e convívio com a doença.

  • Receba por e-mail nossas novidades